Descubra os 4 pilares da liderança para você se tornar uma referência

Tempo de leitura: 14 minutos

Neste artigo iremos mostrar os quatro pilares da liderança para você se tornar uma Referência.

A execução de projetos envolve pessoas e cada pessoa possui suas habilidades únicas e suas próprias motivações. Convergir todas elas num resultado em comum exige a habilidade da liderança.

Pode parecer algo difícil de ser desempenhado, mas a boa notícia é que tudo isso pode ser aprendido.

A capacidade de se exercer essa tão importante habilidade é que vai determinar a qualidade dos resultados alcançados.

Não à toa, esse tema é de fundamental importância para gestores de projetos e para quem deseja ser um profissional diferenciado.

Ficou interessado(a)? Então continue lendo para saber mais sobre:

Gostou do que está por vir? Então não deixe de compartilhar com seus amigos que também tem interesse em se tornar uma referência profissional.

#1 Formação

formação-area-de-conhecimento

As empresas buscam diariamente novos líderes, e para atender a demanda, profissionais estão procurando cursos revolucionários que os transformem em líderes em 10 lições.

Assim como deve acontecer com você, nosso correio eletrônico sempre está repleto de mensagens divulgando palestras, cursos e até simpatias para se tornar um líder eficaz em sete dias.

Alguns céticos dizem que líderes já saem prontos e acabados da linha de montagem: "ninguém se torna um líder!", afirmam com convicção.

Cleyson Dellcorso, especialista em treinamentos de liderança, mostra que são muito poucos aqueles que são líderes natos, mas mostra também que é possível formá-los através de um programa estruturado de mentoria e coaching.

Não costumo definir líderes como aqueles que têm seguidores, mas sim os que produzem uma mudança em sua área de atuação, geralmente para melhor.  ~ Cleyson Dellcorso

Toda e qualquer característica de liderança passa pela excelência pessoal, com forte ênfase na ética, nas relações sociais e principalmente na compreensão da força existente na diversidade entre as pessoas.

O aprendiz de líder precisa ser treinado para enxergar mais longe, porém olhando com respeito àqueles que estão mais perto.

Cada vez fica mais evidente que as atitudes do líder em sua vida particular influenciam em muito a sua liderança, o líder que não incorpora um código de conduta especial está fadado a uma atividade pífia, correndo o risco de ter sua liderança questionada e até de ser banido do grupo.

Na história, líderes com uma visão espiritual tem constantemente provado serem benéficos ao seu meio, enquanto líderes com uma utopia humana se tornaram desastrosos.

Nossa sugestão é que devamos investir no desenvolvimento de uma força espiritual, não religiosa, para a obtenção de uma liderança eficaz.

Lembre-se que só existe excelência profissional em pessoas excelentes.

Continuando nosso bate papo com Dellcorso, eles nos disse que uma vez encontrou um jovem executivo que confidenciou:

(Executivo) - "Sei que terei muito sucesso aqui na empresa e sei também que chegarei ao topo muito rapidamente."

(Dellcorso) - Diante do meu semblante de curiosidade pela afirmação, emendou:

(Executivo) - "Tenho certeza disso, faço parte de todas as campanhas internas, oficiais ou não, assisto a todas as palestras internas quer sejam obrigatórias ou não, vou a todos os happy hours que tenho notícia, enfim estou em todas."

(Dellcorso) - Fiquei desapontado! Quando perguntei a ele, quantos grupos liderava, que campanhas sociais tinham a sua liderança e qual projeto de trabalho voluntário havia sido criado por ele, pareceu-me surpreso.

(Dellcorso) - Iria dizer que a atitude dele era vista por todos como oportunismo e não como comprometimento com a organização, mas minhas palavras não foram ouvidas, pois já havia saído para ficar próximo de alguém importante que chegara.

(Dellcorso) - Pessoas como este jovem executivo criticam a Empresa quando não conseguem algo que querem. Quando coordeno um grupo de profissionais que se prepara para a liderança, costumo dar especial atenção para a excelência nas atitudes, que devem ser de:

  • Espírito empreendedor
  • Proatividade frente as circunstâncias
  • Mente aberta diante do novo e das mudanças
  • Sabedoria diante do poder
  • Disponibilidade para servir
  • Integridade
  • Comprometimento com a Equipe e com a Organização

(Dellcorso) - Para mim, qualquer liderança sem este conjunto de atitudes nada mais é do que chefia: um cargo burocrático, porém sem comprometimento com a empresa ou com o seu tempo, mesmo que o detentor deste cargo tenha o título de Líder disto ou daquilo.

#2 Liderança Servidora

líder-servidor-area-de-conhecimento

Cada um de nós possuí pelo menos um líder que segue como referência, seja um professor, um chefe, um amigo, o pai, etc. Mas o que caracteriza um líder Servidor?

O Líder Servidor faz de cada um dos seus atos um momento para influenciar os outros de modo que o bem comum seja alcançado.

Os verdadeiros líderes sabem que estão nas empresas para servirem as pessoas e não para serem servidos pelos seus colaboradores.

Os falsos líderes determinam o que deve ser feito e os verdadeiros apenas mostram o caminho.

Gostamos muito desta metáfora do que é ser líder dada por Kouzes & Posner, no livro O Desafio da Liderança (Ed Campus):

Liderança é uma arte. E, na arte de Liderar, o instrumento do artista é seu próprio ser. Dominar a arte de liderar é dominar a si próprio. Em última instância, o processo de desenvolvimento da liderança é um processo de autodesenvolvimento.

Assim como esta outra, de Jim Collins (Empresas Feitas para Vencer), nos mostra o verdadeiro comportamento do Líder servidor:

Os líderes servidores olham pela janela na hora de atribuir créditos e ao mesmo tempo olham no espelho na hora de atribuir responsabilidades.

Conforme relatado por Dellcorso, um dos grandes obstáculos para os gestores tornarem-se verdadeiros líderes é o medo. Medo de:

  • Assumirem a responsabilidade, por receio do que os outros vão pensar do seu comportamento;
  • De servir os outros e ninguém servir a ele;
  • De não ficar no centro das atenções e ser ofuscado pelos outros e não progredir profissionalmente;
  • De parecer fraco por não exibir pompa e poder pela sua função;
  • De colocar o seu futuro profissional na dependência do desempenho dos outros.

Realmente, para exercer a liderança é necessário coragem. Normalmente um líder servo tem os seguintes comportamentos, que o diferencia dos demais:

  • Sente-se comprometido em criar em todas as oportunidades uma experiência boa para os membros da equipe, com atitudes prestadias;
  • Acompanha individualmente e auxilia cada liderado;
  • Mantém-se informado de tudo que está relacionado com a equipe e conhece cada um dos colaboradores muito bem. Mantém a equipe conectada entre si;
  • Tem o costume de se antecipar às necessidades individuais e do grupo. Não espera que questionem, age proativamente;
  • Demonstra sempre a gratidão pela colaboração recebida;
  • Tem senso de justiça muito grande e uma ética a toda prova;

Todos os grandes líderes que tiveram uma liderança perene e obtiveram resultados para suas organizações muito acima da média, apresentaram um comportamento de líder servidor.

Talvez, de muitos não lembremos nem o nome, pois transferiram à equipe todos os méritos, mas sabemos que por onde passaram deixaram um legado e a sua marca inconfundível.

#3 Compaixão

compaixão-area-de-conhecimento

Muitos discutem se esta visão mais humanista na Gestão de Pessoas realmente se aplica nas empresas modernas, e uma pergunta recorrente nas discussões sobre o assunto é:

Existe espaço para compaixão nas empresas atuais?

Normalmente a resposta a esta pergunta é um sonoro NÃO, se entendermos o significado de compaixão pelo senso comum que é piedade, pena, dó e etc.

Compaixão está relacionada com a percepção e entendimento das emoções que o outro está sentindo, porém com o forte desejo de auxiliar os que sabem menos ou que estão em uma situação de desconforto.

As empresas sem compaixão têm uma atmosfera de insegurança no ar e não são os melhores lugares para trabalhar.

Onde há compaixão existe confiança, excelência e sucesso, porém se ela for colocada em pratica em excesso provocará desamparo, mediocridade e fracasso.

Não é muito fácil dosar a medida certa, mas existem alguns critérios:

  1. Pessoas que não têm compaixão ou que acham que ela é desnecessária não irão levar você a sério se quiser tratá-las com compaixão. É necessário um trabalho prévio com elas.
  2. Leve a compaixão e auxilie aqueles que entendem, sentem falta dela, mas não conseguem evoluir ou produzir mais satisfatoriamente.
  3. Não use a compaixão em empresas que de certa maneira punem a honestidade, a transparência e as inseguranças. Por outro lado, estas empresas entrarão em sérias dificuldades em um futuro próximo.

Talvez surja a dúvida: Na minha equipe, a quem devo tratar com compaixão?

A compaixão deve ser estendida a todos, mas dê preferência àqueles que:

  • Travam lutas pessoais, dentro ou fora da empresa.
  • Tem conflitos de personalidade.
  • Por algum motivo vivem inseguros com suas próprias emoções.
  • Vivem em constante incerteza.
  • Que desejam realizar uma tarefa, mas se sentem sem conhecimento ou habilidade.
  • Que se sentem deslocados.

E aos líderes costumamos lembrar que devem ter as seguintes posturas:

  • Liderar com compaixão não é para qualquer um, é necessário ter um bom autoconhecimento.
  • Traga para perto de você os que, mesmo com dificuldades no trabalho, apresentem um comportamento ético significativo.
  • A segunda chance é para ser dada.
  • Cuidado com a sua comunicação, ela deve levar bondade em seu conteúdo.
  • Coloque-se no lugar do outro e veja também sob a visão dele.
  • Deixe a raiva e o mal humor em algum lugar esquecido, não ande com elas.
  • Lembre-se que você já passou por isso.
  • Seja prestadio.

Ter compaixão nos tempos bons é fácil, exercite-a diariamente para que não seja necessário uma quebra de paradigma durante as turbulências.

#4 Atitude

liderança-area-de-conhecimento

Em um mercado cujo cenário se altera com bastante frequência é fundamental que as empresas tenham líderes preparados a difundir interna e externamente os ajustes necessários para que a competitividade continue.

Em outro artigo sobre as competências da gestão de projetos, dissemos que de nada adianta processos, metodologias e etc, se você não tiver atitude, e esta é na nossa opinião, o principal pilar da liderança.

A atitude irá dizer se você é ou simplesmente está um líder, e isso fará diferença em ter seguidores "orgânicos" ou "pagos".

Neste caso, seguidores orgânicos são pessoas que te admiram e te seguem como uma referência de profissional e até de pessoa, principalmente pelas suas ideias e atos.

Seguidores pagos são subordinados ou pessoas que aceitam suas ideias e atos simplesmente por interesse financeiro, político ou poder.

Hoje apresentaremos algumas dicas para o líder obter sucesso e exercer uma liderança consistente.

Devido ao momento vivido pelo país, novas estratégias são necessárias com frequência e é importante que cheguem com comunicação correta em todos os níveis da empresa e, principalmente, que sejam colocadas em prática imediatamente.

Para que isto aconteça, a presença de bons gestores de equipes passa a ser insuficiente, é necessário que estes gestores tenham liderança sobre o grupo.

Em vista disso, é importante apresentar algumas dicas para o líder obter sucesso. Listamos abaixo três dicas importantes para o sucesso, estas dicas são geralmente apresentadas em grandes eventos de liderança.

1º Comunicação: Mesmo que seja clichê, ela aparece sempre em primeiro. A comunicação deve ser clara, objetiva e direta para que a mensagem chegue completa do transmissor ao receptor.

Quando necessária a comunicação pode ser negociada, isto é, transmissor e receptor, chegam juntos ao ponto desejado.

Para que a comunicação seja eficiente e a liderança preservada:

  • Nunca parta para o ataque ou para a defesa prévia;
  • Nunca se justifique desnecessariamente;
  • Não perca tempo com fala inútil sem uma finalidade objetiva;
  • E principalmente, evite possíveis fofocas, seja em que níveis forem.

2º Mentalidade Servidora: Atualmente é difícil pensar em uma verdadeira liderança se ela não tiver a mentalidade servidora.

O verdadeiro líder busca incentivar as pessoas e deixá-las melhores emocionalmente do que quando as encontraram.

São comportamentos que podem ser adquiridos, treinados e incorporados.

A mentalidade servidora valoriza a vida e os relacionamentos por ter uma intenção muito clara de seu propósito.

3º Postura Condutora: Um liderado precisa conhecer seu líder para aceitá-lo como tal, portanto é necessário que além da integridade, o líder tenha um comportamento autêntico.

Mudanças constantes de comportamento gera desconfiança e insegurança.

As opções pessoais do líder devem ser claras e transparentes, sejam quais forem, para que os liderados tenham segurança em receber a sua influência.

Um outro comportamento do líder, muito importante, é o centramento pessoal. Líderes que não têm um comportamento centrado, fundamentado no autoconhecimento tem dificuldade em conduzir equipes para que os objetivos sejam alcançados.

Estas são algumas sugestões que podem auxiliar para que sua liderança tenha mais sucesso.

Profissionais que as utilizam obtiveram excelentes resultados, talvez se você está sentindo que sua escada de ascensão profissional está com falta de degraus, seja chegado o momento de incorporar estes comportamentos na sua vida pessoal e profissional.

Liderar é uma arte. ~ Mario Sergio Cortella

E-book Exclusivo - Seja um Líder

seja-um-líder-area-de-conhecimento

Você por acaso, já sentiu-se derrotado em algum dos seus projetos? Já esteve em alguma situação na qual as alternativas de solução pareciam todas perdidas?

Você e seu time já foram expostos à situações de extremo risco, onde tudo parecia incerto?

A equipe do Portal Área de Conhecimento, em parceria com Cleyson Dellcorso, criou um e-book que conta a trajetória de Sir Ernest Shackleton em seu principal relato conhecido pela história, a Expedição Transantártica Imperial.

A bordo do navio Endurance, e com uma tripulação escolhida a dedo, Shackleton nos ensina como ser um verdadeiro líder e um mestre na arte de comandar em situações de crise.

Neste e-book, iremos analisar o comportamento de Sir Ernest Shackleton no comando de suas equipes, suas aventuras e como alguns modelos adotados por ele podem ainda hoje, após um século, serem utilizados em processos de Coaching e Liderança.

Esse conteúdo irá te inspirar para enfrentar com disciplina, coragem e liderança as difíceis situações que enfrentamos em nossos projetos profissionais e pessoais.

Chegamos ao final

Nesse artigo, com a grande colaboração de Cleyson Dellcorso, percorremos por quatro pilares da liderança para que você se torne uma referência.

Queremos receber sua opinião sobre o conteúdo aqui apresentado e suas experiências com liderança. Para isso, fique a vontade para comentar abaixo.

E não deixe de colocar seu e-mail abaixo para receber nossas atualizações e conteúdos relacionados a gerenciamento de projetos. 🙂

Abraços e até a próxima!

Gostou? Cadastre-se.

Coloque o seu e-mail abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!